Notícias Oriente Médio

Cristã se recupera um ano após bombardeio em igreja no Egito: “Jesus me traz consolo”

Mary Edwar estava de mãos dadas com seu marido Kareem Ghattas, perto da catedral copta de São Marcos, em Alexandria, depois do culto lotado na igreja com cerca de 700 outras famílias, um ano atrás, quando uma bomba explodiu e ambos foram lançados ao ar.

Quando ela viu sangue saindo da cabeça de seu marido, soube então que a situação dele era, na palavra dela, “irreparável”. O casal estava casado há um ano e oito meses, e Mary estava grávida de dois meses e meio, esperando seu primeiro filho. Sua vida havia começado cheia de alegria naquele Domingo de Ramos em 2017, porém interrompida pelo ataque brutal.

Agora, com apenas 33 anos, depois de perder o marido e sofrer um aborto espontâneo, ela abandonou qualquer desejo de ter filhos e, apesar de notavelmente positiva, continua com o coração partido e não consegue olhar para as folhas de palmeira que estão em toda parte da igreja.

“Ele era um homem maravilhoso, um homem muito normal, não muito espiritual”, disse Mary ao ‘Christian Today’ e vários outros meios de comunicação na antiga igreja ontem à tarde, na véspera do Domingo de Ramos, que este ano foi comemorado no último domingo (1), conforme o calendário da igreja ortodoxa. Falando em árabe com um tradutor da emissora cristã na região, SAT-7, ela acrescentou qu seu marido Kareem, que tinha 43 anos quando morreu: ‘Ele viveu uma vida normal, visitou sua mãe e seu pai, ele serviu na igreja e seu coração estava no céu’.

Mary sofreu vários ferimentos de estilhaços nas pernas e no estômago, e ficou hospitalizada por nove dias após o ataque suicida em 9 de abril, que matou 18 pessoas e feriu pelo menos 48, coincidiu com outro em Tanta, deixando um total combinado de 45 mortes e mais de cem feridos no mesmo dia.

Imagens de uma câmera de segurança da igreja mostraram o homem-bomba de Alexandria andando por um portão aberto antes de ser direcionado para um detector de metais que era guardado por policiais. Parado por um oficial muçulmano, o homem então detonou seus explosivos do lado de fora da igreja, onde centenas se reuniram para isso, a ocasião mais importante da igreja do ano no Egito, juntamente com a Sexta-feira Santa e o dia da Páscoa (o papa copta Tawadros II, líder do copta Igreja Ortodoxa, estava dentro da catedral de São Marcos, mas não ficou ferido).


Balas de Coco Alagoana


Ontem, a comunidade cristã de muitas centenas nessa cidade litorânea reunia-se lenta, mas firmemente ao sol da primavera, preparando-se para o serviço desta manhã.

Kareem foi o último cristão a morrer uma semana após o ataque, por não resistir aos ferimentos. Maria diz agora que ele profetizou sua própria morte em várias ocasiões, dizendo-lhe que ela seria “a esposa de um mártir” e dando-lhe instruções para “sair e servir a igreja” no evento.

Recusando-se a permitir que seu rosto fosse fotografado, por causa hipersensibilidade à luz e não por medo da insegurança, é assim que ela tem seguido desde sua própria recuperação depois de várias cirurgias.

E sua fé cresceu, não diminuiu. Questionada agora sobre como ela está lidando com tudo isso, Mary diz que ela tem dias bons e dias ruins, mas destacou a restauração de sua vida pelas mãos de Deus.

“Deus me enviou muito consolo, especialmente durante o jejum [da Quaresma]. Não quero que o jejum termine, porque Jesus me enviou muito consolo neste tempo”, relatou.

Ela descreveu como acreditou que Kareem viveria e que até orou para que ele fosse ressuscitado como Lázaro.

“Mas eu eventualmente me submeti à vontade de Deus. Ele o escolheu para ser um mártir”, afirmou.

Ela vai com ainda mais frequência à igreja agora, e não há sequer o menor indício do sentimento “Por que eu?” em seu coração.

“Eu tento fazer coisas que fizemos juntos; isso me dá dor, mas também me dá consolo”, diz ela. “Eu oro muito e isso me ajuda. Muitas vezes eu desmorono em lágrimas, mas recorro à oração”.

Sim, ela fica com raiva, e quando estava definhando no hospital, sentia que um “vulcão” estava dentro dela, mas a leitura da Bíblia acalmou a tempestade, ela diz, especialmente quando se concentrou na paixão e crucificação de Cristo.

Igreja evangélica no Egito

Na última sexta-feira (30), mais de mil cristãos sorridentes de várias denominações lotaram a igreja evangélica KDEC, no Cairo, enquanto os fiéis levantavam suas mãos e cantavam canções, incluindo uma versão do hino ‘How Great Thou Art’ (“Grandioso és Tu”) em árabe.

Como muitos cultos no Egito, este foi transmitido ao vivo pela SAT-7, a rede de televisão por satélite que atinge milhões de cristãos em 25 países em todo o mundo árabe no Oriente Médio e norte da África.

Enquanto isso, na Alexandria de São Marcos, Mary Edwar é resoluta.

Questionada sobre suas esperanças para o futuro, ela diz simplesmente: ‘A vontade de Kareem era que eu saísse e servir a Deus e à Igreja. Minha esperança é fazer isso e nada mais”.

Fonte: Christianity Today – 04/04/2018 –  00:00

Tags

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar