SaúdeVida e Estilo

Fui diagnosticado com doença de Crohn, e agora?

A doença de Crohn (DC) é uma doença inflamatória intestinal crônica, de etiologia desconhecida. Essa disfunção afeta predominantemente o segmento distal do intestino delgado (íleo terminal) e o segmento proximal do intestino grosso (cólon), entretanto pode afetar qualquer segmento do tubo digestivo, desde a boca até o ânus.

A incidência de Doença de Crohn tem aumentado em nível mundial, sobretudo em países desenvolvidos. O aparecimento de doenças crônicas está relacionado com o estilo de vida, incluído sedentarismo e alimentação.

Os sintomas presentes na maioria dos casos de pessoas com doenças de Crohn são diarreia, febre, dor abdominal, anorexia (perda de apetite), perda de peso, desnutrição, anemia, intolerância alimentares e atraso no crescimento.

Entretanto manifestações extraintestinais surgem frequentemente na pele, articulações, olhos e fígado, havendo também um risco maior de desenvolver doença tromboembólica venosa, cálculos biliares, cálculos renais e até osteoporose.

Os doentes com DC, tipicamente, sofrem um período de inflamação intestinal crônica, a fase aguda, seguido pela fase de remissão. Na fase aguda ocorre a perda de peso, deficiência protéico-energética, assim como deficiências específicas em minerais e vitaminas.

Por sua vez, pacientes na fase de remissão, apresentam um estudo nutricional aparentemente normal, associado a uma ausência de sintomas inflamatórios e à cicatrização da mucosa intestinal.

A garantia de uma boa nutrição é um fator importante no tratamento da DC, e ressalta-se que o paciente deve ser acompanhado por um nutricionista para melhor atendê-lo quanto à dietoterapia da doença.

Por sua vez, a dieta recomendada consiste em uma dieta equilibrada focada no aporte energético (hipercalórica), proteico (hiperproteica), de vitaminas e minerais. Não existem alimentos específicos a evitar por todos os pacientes, mas algumas pessoas podem ter desconfortos com determinados alimentos ou intolerâncias alimentares, sendo que nesses casos esses alimentos devem ser evitados.

Alguns desses alimentos são: lactose, sacarose (“açúcar”), glúten, baixa ingestão de frutas e verduras, ingestão de carne vermelha, consumo de álcool, ingestão de ômega 3  e de vitamina D insuficiente.

Diante de algumas sintomatologias específicas o paciente deve tomar alguns cuidados, por exemplo: em quadros de diarreia, a orientação nutricional é que a alimentação seja fracionada em pequenas refeições e que haja uma hidratação adequada 1,5 l a 2 l de água por dia).

Alimentos precipitantes devem ser evitados, evitar também uma dieta rica em fibras e gorduras: nozes/sementes, frutas e vegetais crus, ervilhas/feijão, picantes, álcool, chocolate e café. Em casos de diarreia deve-se priorizar sumos de fruta, cereais como arroz e massas brancas, legumes cozidos e frutas sem cascas, proteínas conforme toleradas, como carne branca e peixe.

Outro sintoma comum é a distensão abdominal (abdômen distendido) para diminuir os sintomas deve evitar alimentos picantes, legumes (ervilhas, feijão) e hortaliças como couve, couve-flor, brócolos, bebidas com gás e alimentos que contém sorbitol (corante artificial)

O prognóstico para a doença de Crohn é relativamente favorável. Embora não tenha cura, existe tratamento que atenuam a dor e o constrangimento da doença, em outras palavras, é perfeitamente possível viver uma vida normal, desde que se siga as orientações do nutricionista e do médico.

Em Agosto Ouça a Rádio Cedo Venho

Fonte: Guiame – Juliana Lima/Nutricionista – 07/07/2018

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Também

Fechar
Fechar