DestaqueNotícias Internacionais

Pastor é morto por guerrilheiros, após evangelizar comunidades rurais na Colômbia

Além de pastor, Hector Galarza acabou se tornando um líder social, ajudando a amenizar a dura realidade das guerrilhas em comunidades rurais.

Na Colômbia, os pastores protestantes geralmente acabam desempenhando um duplo papel: como líderes de igrejas e também líderes comunitários, especialmente em pequenas comunidades rurais. Esse reconhecimento geralmente faz com que esses homens e suas famílias sejam alvo de forças paramilitares, guerrilheiros e grupos criminosos que querem controlar a região. A missão Portas Abertas conversou recentemente com uma família que conhece esta realidade muito bem.

Era um domingo quente na cidade de El Cedro, no noroeste da Colômbia, uma pequena cidade habitada por pescadores, fazendeiros e o ocasionalmente comerciantes que transportam mercadorias para pequenos barcos a gasolina, popularmente conhecidos como “Johnsons” (a marca do motor usado na maioria dos barcos).

Como todos os domingos à tarde, o pastor Hector Galarza havia embarcado em seu pequeno barco para se dirigir à pequena igreja que ele liderou durante oito anos, preparando-se para pregar o culto de adoração daquele fim de semana. Chegando à região, ele se inclinou para amarrar seu barco no píer quando dois homens se aproximaram do cais. Eles exigiram ser levados para o outro lado do rio.

Os homens não eram completamente desconhecidos para o pastor. Semanas atrás, eles estavam incomodando os aldeões com reclamações e demandas. Eles são conhecidos pela violência de suas palavras e comportamento hostil. Além disso, eles integram grupos armados ilegais que, por algum tempo, quiseram recuperar o controle da área onde atualmente pastor Galarza tem atuado como evangelista.

“Eles eram dois homens e um deles era conhecido na região”, disse Mercedes, a esposa do pastor. “Eles estavam investigando a área há algum tempo e descobrindo informações sobre todos”.

Liderando uma igreja em meio à guerrilha

O pastor Galarza, como a maioria dos habitantes da região, testemunhou as ações violentas e sangrentas de grupos armados ilegais contra a população civil. Felizmente, durante quatro ou cinco anos, a situação na região melhorou. A população vivia em relativa paz.

Através da igreja, o Pastor Galarza começou evangelizar e influenciar o desenvolvimento da cidade de forma positiva e pacífica. Sua liderança era tão forte que o governante da comunidade local o convidou para ajudar a tomar decisões importantes. Pouco a pouco, o pastor Galarza ficou conhecido como o líder social e religioso da região.

Nos últimos dois anos, grupos paramilitares, guerrilhas e gangues criminosas assumiram a tarefa de “colonizar” novas regiões para torná-las um bases na luta armada para controlar o mercado de drogas, o tráfico de armas e outros atos criminosos.

Dado este forte ataque, a igreja cristã nas áreas rurais foi seriamente afetada porque, na ausência de uma força pública (como a polícia ou o exército), os líderes da igreja defenderam a população pacificamente, impedindo que grupos ilegais recuperassem o controle do local.

Morto por evangelizar

Pastor Galarza foi o único na linha de frente a se opor à intrusão de grupos armados na comunidade — um reconhecimento que se tornaria trágico naquela tarde de domingo.

Em plena luz do dia, diante dos olhos de espectadores locais, os homens que o pastor Galarza havia se recusado a ajudar tiraram sua vida com dois tiros. Alegadamente, os atiradores se afastaram lentamente, sem dúvida se sentindo intocáveis. Eles haviam assassinado um pastor, que também era um franco líder social e defensor da comunidade, simplesmente porque ele havia se tornado um obstáculo para as atividades criminosas dos guerrilheiros.

De acordo com a filha do pastor Galarza, Angela, o assassinato de seu pai foi premeditado, realizado para impedir o avanço do evangelho. A influência do pastor Galarza ajudou a diminuir as atividades ilegais na área. Além disso, ele foi morto, diz Angela, para combater o crescente número de pessoas indo à igreja e sua oposição a grupos armados.

Lutando para reconstruir

Naquela mesma tarde, a esposa do pastor, junto com os filhos e netos, removeu o corpo do marido. Então eles fugiram para se refugiar Rio Crecido, uma cidade perto de El Cedro.

A pequena casa em um bairro perifético é agora o novo lar da família Galarza. Lá, escondida daqueles que assassinaram o marido, Mercedes se esforça para reconstruir sua casa. Ela chora frequentemente. Ela também tem ataques de ansiedade. Então acaba fazendo seus netos correrem para se esconder, sempre que ouvem um barulho alto.

“As crianças choram quando lembram do avô, não entendem o que aconteceu”, diz Mercedes.

Angela acrescenta: “Infelizmente, eles viram o avô deles morto no chão. Esta memória às vezes não os deixa dormir”.

A fé desta família no mesmo Deus ao qual Hector dedicou sua vida tem sido a única fonte de força e cura para este lar em luto, que apesar da dor, sente um profundo orgulho pelo homem que o pastor era — um homem que serviu a Cristo de todo o coração, um pastor que deu sua vida pela defesa da mensagem de paz que aprendeu com Jesus, um pai amoroso e um marido fiel e leal.

Pastor Galarza era um líder cujo sangue é agora a inspiração para jovens cristãos na região, que continuam a aprender sobre um homem que amava a Deus tão profundamente que deu a vida para servir ao povo que o seu Deus ama.

A história de Galarza recentemente chamou a atenção dos pesquisadores do Portas Abertas da Colômbia, que visitaram a família para levar apoio pastoral e financeiro.

https://guiame.com.br/gospel/missoes-acao-social/pastor-e-morto-por-guerrilheiros-apos-evangelizar-comunidades-rurais-na-colombia.html

Fonte: Guiame/Portas Abertas – 07 de Janeiro de 2019 

COMENTÁRIOS – O conteúdo dos comentários abaixo é de responsabilidade de seus autores e não representa a opinião deste portal.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar